domingo, 8 de junho de 2014

Osteodistrofia fibrosa generalizada em equino.

As manifestações morfológicas em equinos são de um hiperparatiroidismo secundário nutricional. Advêm de dieta rica em fósforo (grãos são ricos em fósforo e pobres em cálcio). Mais comum isostática: clinicamente há claudicação porque periósteo se prende tecido conjuntivo e o animal sente dor.
Hiperostótica é a mais fácil de observar clinicamente: é denominada cara inchada como demonstra as fotos ao lado. Aqui os animais são alimentados no pasto onde as gramíneas são ricas em cálcio e pobre em fósforo, mas também rica em oxalato onde o cálcio está sobre a forma oxalato, dificultando a sua absorção (colonião, e setária). Microscopicamente como demonstra a parte histopatológica tenha grande quantidade de tecido fibroso substituindo o tecido ósseo.

sábado, 31 de maio de 2014

Edema pulmonar macroscópico e microscópico.

O edema pulmonar aparece nas mais diversas circunstâncias. Observar o edema nas duas fotografias ao lado. As insuficiências cardíacas, sobretudo do coração esquerdo, e as nefrite são outras tantas causas do edema pulmonar; merecem ainda citação como causas deste edema o oxigênio em pressões excessivas, os cianeto, o fosgênio( gás de guerra),  a amônia e o antu (rodenticida). Os traumatismos cranianos, as queimaduras extensas da pele, as obstruções intestinais e a transfusão de sangue de cavalo no bovino(choque) constituem também causas do edema pulmonar. A agonia pode acompanhar-se de edema do pulmão, consequência da debilidade progressiva do coração no processo agônico. O pulmão, macroscopicamente, apresenta-se de cor mais clara, sua consistência é mais firme que a normal e dá impressão de fortemente expandido; seccionado, elimina líquido seroso arejado, que lembra a escuma de sabão. À docimasia hidrostática, os fragmentos do órgão flutuam. Microscopicamente as fibras do tecido aparecem dissociadas delimitando espaços mais amplo do que os normais e contendo o liquido edematoso nos espaços alveolares. 

Dictiocaulose bovina e suas manifestações macro e microscópicas.

É um tipo especial de pneumonia que apresentam caracteres especiais. Sua localização é na porção caudal dos lobos diafragmáticos. Há presença de parasitos nos brônquios como mostra a fotografia ao lado e bronquíolos causando bronquite. A obstrução parcial pode causar enfisema tipo cunha, e a obstrução total pode causar atelectasia.
Estes parasitos provocam nos bovinos a conhecida pneumonia por Dictiocaulose. Os Dictiocaules em sua fase adulta parasitam os pequenos brônquios, onde determinam, além de bronquites, enfisema, atelectasia e às vezes até mesmo broncopneumonias, estas sobretudo quando as condições de nutrição do animal são precárias. Os parasitos adultos que medem poucos centímetros de comprimento, são encontrados na luz de pequenos brônquios, de permeio ao edema pulmonar como demonstra a foto ao lado.
A presença do parasito nos pulmões determina uma irritação do epitélio das vias aéreas superiores, estimulando a produção de exsudato rico em eosinófilos, que levam ao broqueio dos brônquios, resultando em um processo de atelectasia dos alvéolos, principalmente na extremidade do órgão. Pode levar à serias complicações pulmonares como edema pulmonar, enfisema compensatório e bronquiectasia. Os sinais clínicos incluem respiração rápida e superficial, tosse constante, secreção nasal e temperatura elevada. O animal apresenta-se ativo, contudo, mostra dificuldade em se alimentar, devido aos distúrbios respiratórios. A evolução da doença é rápida e dentro de 24 horas, a dificuldade respiratória se torna bastante evidente.