sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Tumor misto mamário em cadela velha

Este tumor misto mamário tem ocorrência em todos animais domésticos, inclusive no homem, mas tem apreciável importância na cadela, onde, onde está neoplasia tem uma incidência de 25% a 35% de todas as neoplasias mamárias. Na espécie canina, quando os dois sexos são considerados, eles são superados apenas pelos tumores cutâneos. Aparecem em geral em cadelas com mais de cinco anos de idade. Alguns fatores etiológicos devem ser considerados no aparecimento dos tumores mamário da cadela: 1) Ovariectomia: nestes animais estes tumores são extremamente raros principalmente quando a remoção dos ovários é elaborada antes da puberdade. Quando se pratica a ovariectomia em cadelas já portadoras do tumor, este regride e às vezes mesmo desaparece. Raramente percebe-se a transformação maligna de tumores benignos em cadelas castradas, e por outro lado, a ovariectomia, juntamente com a retirada da mama, muitas vezes previne as recidivas do tumor. 2) A incidência de tumores mamário é maior em cadelas virgens do que naquelas que se reproduzem normalmente. 3) de modo geral os tumores mamários, quer benignos, quer malignos, aumentam de volume e mostram-se amolecidos no proestro e no estro, tornando-se menores e mais firme no metaestro e no anestro. 4) parece haver correlação entre irregularidades de cio e a incidência de tumores mamário. 6) O papel da susceptibilidade genética é conhecido na camundonga. Os tumores mamários da cadela são classificados em tumores mistos, carcinomas, papilomas dos ductos e mioepiteliomas. Este tumor na cadela tem aproximadamente 60% de possibilidade de dar metástase no pulmão como demonstra a sua presença neste órgão como mostra as fotos.







segunda-feira, 31 de julho de 2017

Metamorfose gordurosa em bovino

O excesso de tecido adiposo generalizado é chamado obesidade. A gordura pode se acumular na célula ou pelo menos tornar-se visível devido a um colapso local do mecanismo mitocondrial de oxidação das gorduras, e neste caso há a metamorfose gordurosa. A metamorfose gordurosa é caracterizada pelo aparecimento de gordura no citoplasma dos hepatócitos, nas quais normalmente não é observada. A sua etiologia pode ser atribuída a duas causas principais: primeiro as toxemias de origem química (inorgânicos e orgânicos), infecciosa ou metabólica e segundo às hipoxemias ou anoxemias. A metamorfose gordurosa frequentemente é encontrada em vacas no início da lactação, associada à redução da fertilidade. Macroscopicamente o fígado afetado apresentam-se com aumento variável de volume, traduzido pelo abaulamento das bordas, coloração pálida ou amarelada, friáveis e de textura untuosa ao corte. Em alguns casos, nota-se a alternância de áreas pálidas-amareladas com áreas acastanhadas normais, indicando a localização zonal do processo. 

domingo, 30 de julho de 2017

Peritonite fibrino hemorrágica aguda

A inflamação do peritôneo é muito frequente nos grande animais, porém pouco frequente nos cães e gatos. Podem ser serofibrinosa, fibrino purulenta, purulenta hemorrágica e como neste caso em um cão peritonite difusa fibrino hemorrágica aguda. A maioria dos casos das peritonites são produzidas por bactérias e suas toxinas, algumas por infestação de helmintos e poucas são de origem vírica ou químicas. Observa-se na foto o peritônio, particularmente o que recobre o intestino, está vermelho e granuloso, mostrando umas poucas fibras de fibrinas vermelhas, inclusive ao redor do fígado. Observa-se edema da subserosa intestinal e em consequência petéquias ou hemorragias maiores.