quarta-feira, 25 de março de 2015

Toxocaríase em um cão jovem

A toxocaríase, também conhecida como síndrome da larva migrans visceral, é causada por parasita pertencente ao gênero Toxócara, filo Nematelmintos, classe Nematoda, ordem Ascaroidea, família Ascaridae e subfamília Ascarinae. Esta verminose pode ser evitada tomando cuidados de higiene. Não deixar o cão defecar em locais onde podem brincar crianças, lavando sempre a mão antes de comer. Utilizar vermífugos recomendados pelo médico veterinário. Tem localização no intestino delgado como mostra as fotos ao lado. As larvas dos parasitos podem chegar a outros tecidos através da circulação, podendo chegar aos pulmões rompendo os alvéolos e migram para a traqueia, onde são deglutidas, então, chegando ao intestino delgado (mais comum em filhotes). Quando a infecção pré-natal é muito grande, pode haver morte do animal, pois a imigração das larvas causa lesões hepáticas e focos pneumônicos. Em infecções maciças podem ocorrer obstruções do sistema digestório, levando a vômitos e diarreia. Podem ter sintomas neurológicos e até crises convulsivas. Esta necropsia foi elaborada pelos acadêmicos do 6º período do curso de Medicina Veterinária da Unitri sede em Uberlândia. 


sexta-feira, 20 de março de 2015

Carcinoma espino celular nasal em gato

É uma neoplasia maligna derivada do epitélio pavimentoso estratificado. Freqüentemente, o tumor se origina de papilomas. É a forma mais comum de carcinoma afetando todos os animais domésticos com maior frequência os cães e depois os gatos. Os animais afetados geralmente, são adultos apesar de ser observados raramente em animais jovens. Ocorre principalmente na pele, boca, língua, faringe, esôfago, rumem, cérvix, útero, bexiga e como no caso apresentado na fossa nasal. Pode ainda desenvolver nos bordos de uma ferida crônica de cicatrização difícil. O carcinoma espino celular pode ser observado em todas as áreas da pele, embora algumas especies tem locais de predileção. A pele do tronco, pernas, dedos, escroto e lábios são locais de preferência nos cães. Pênis, base da cauda, vulva e área perineal são de preferência nos bovinos e equinos.Extremidades das orelhas e pálpebras, fossas nasais observados nos carneiros e gatos. Cabeça e pescoço são locais de preferência nos gatos. Esta neoplasia foi encontrada como observada na foto ao lado unilateralmente à fossa nasal esquerda. Este local a principio parece queimado de sol. A pele pode soltar e provocar formação de escaras. Esta lesão mais tarde torna-se ulcerada e sangra. As metástases são raras, mas neste caso observou-se como mostra a foto uma metástase a nível hepático. A necropsia deste animal deve-se a boa vontade do nosso acadêmico Maikon do 7º período da Unitri sede em Uberlândia, e a mesma foi elaborada pelo 6º período desta mesma Universidade.


domingo, 1 de fevereiro de 2015

Fibroma em um cão sem raça definida

 São neoplasias que podem estar em qualquer parte, porém se encontram com maior frequência na pele, subcutis e na vagina. Macroscopicamente são nódulos arredondadas ou ovóides, bem circunscritos, de cor brancacenta e consistência firme como demonstra as fotos ao lado. Alguns podem ser pedunculados ou papilares. Como demonstrado na foto ao lado microscopicamente os fibroma apresentam ma característica constituída de fibroblastos e fibras colágenas dirigido sem orientação em varias direções. As células são fusiformes, com núcleos alongados, grandes, pálidos e múltiplos nucléolos. Os fibroma não desprovidos de estroma tem um variável grau de vascularização. Estes fibroma devem ser diferenciados de tecido de granulações que são constituídos de feixes paralelos, de fibroblastos e fibras colágenas com capilares proliferando em ângulos retos. Estes tumores podem serem confundidos freqüentemente com hemangiopericitoma, linfocitoma e Schwanoma, etc.