sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Mesotelioma em bovino

As neoplasias primárias do peritôneo podem originar-se a partir da mesma serosa, tecidos conjuntivos subserosos e de outros diversos tecidos especiais diferenciados. Estes tumores originários da serosa são os denominados mesoteliomas, as vezes considerados malignos, porém esta classificação é desnecessária, posto que todos tem caracter maligno. Não são frequentes, e são mais conhecidos em bovinos, emboras possam ocorrer em todas as espécies. Estes tumores são semelhantes aos mesoteliomas cerebrais. e ao contrario que a maior parte dos tumores animais que mostram uma incidência maior com a idade, se dão também em animais jovens e recém nascidos. A macroscopia é semelhante independente da espécie. Podem mostrar um aspecto superficial semelhante as lesões perladas da tuberculose peritonial bovina com aparecimento de nódulos milimétricos a centimetricos como mostra as fotos. Sem duvida não são mineralizados. Os nódulos neoplásicos são densamente individualizados e como placas irregulares rugosas no peritônio parietal e visceral, com uma superfície carnosa, que pode ser papilosa e um aspecto central gorduroso. Pode levar a uma copiosa ascite. 



terça-feira, 14 de julho de 2015

Pleurite em bovino

São também denominadas pleurisias. Como um processo primário são raras. Pode ocorrer nos ferimentos sobre a caixa torácica. As pleurites secundárias associam-se a pneumonias, sobretudo as fibrinosas e as gangrenosas. Pode ser acompanhada de empiemas pleurais ou piotórax. Macroscoscopicamente a pleura está aderida ao pulmão como demonstrado na foto.

Glomerulonefrite em bovino

Há fundamentalmente um comprometimento inflamatório do glomérulo. É bastante frequente no homem e mais rara nos animais domésticos. Pode estar ligada a estados alérgicos, É pouco conhecido o mecanismo exato em que se produz esta alteração. Elas podem ser asintomática agudas, sub agudas e cronicas. Podem ser em consequência de diversas afecções infecciosas, particularmente infecções estreptococicas, endocardites, toxoplasmose, salmonelose e algumas intoxicações. Macroscopicamente nas manifestações subagudas e agudas o rim apresenta-se aumentado de volume, pálido, de superfície lisa e com sua cápsula destacável ou mesmo com pontos milimétricos branco amarelados na sua superfície como mostra a foto. Nas formas cronicas. o órgão mostra-se contraído, rugoso e granuloso, e a cápsula quase sempre está aderente.