domingo, 16 de fevereiro de 2014

Estomatite necrótica em bezerro.

Esta nomenclatura se usa para descrever qualquer enfermidade ou lesão geralmente associada ao Sphaerophorus necrophorus. Pode incluir aqui a difteria do bezerro. Este germe é parte da flora normal da cavidade oral, do trato intestinal e genital de muitos herbívoros, e esta difundido no meio ambiente.Portanto a etiologia da necrobacilose é o Sphaerophorus necrophorus também denominado Fusobacterium necrophorus. Pode afetar a laringe (laringite necrótica) ou a cavidade oral (estomatite necrótica), caracterizada por febre e ulceração, assim como edemaciação das estruturas comprometidas. Geralmente afetam bezerros com menos de três meses de idade. Este animal tem dificuldade de mamar, o apetite esta deprimido e pode apresentar hipertermia em torno de 40ºC. O desenvolvimento da doença pode ser curta, morrendo o bezerro não tratado de toxemia e pneumonia no prazo uma semana. As lesões são ulceras necróticas de profundidade variável nas membranas  da mucosa oral como mostra a fotografia ou faringiana. É comum se produzir membranas cuprosas ou diftéricas. As partes mais afetadas com maior frequência são a língua, particularmente suas bordas, os lábios e o revestimento da laringe. Em caso mais graves estas lesões se estendem a cavidade nasal, laringe, traqueia e inclusive pulmão. Em relação a profilaxia e tratamento deve-se separar os animais afetados dos sãos. Fazer limpeza e desinfecção do curral. Para o tratamento pode-se recomendar uma terapêutica de sulfonamidas e antibióticos.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário